Solar em prospecção na América Latina

Todos temos bem presentes na mente uma imagem forte quando falamos da palavra “renováveis”, o aproveitamento de energia do sol, do vento da natureza viva e vigorosa das florestas, das faixas costeiras nos trópicos. A energia solar, eólica e hídrica constituem as principais fontes que alimentam a rede eléctrica em modernização do Brasil. Investimentos em energia eólica não param de aumentar nesta economia que cresce entre os 3-4% ao ano, sendo que os incentivos do Banco para o Desenvolvimento e Banco do Nordeste incentivam empresas multinacionais capacitadas a instalar-se junto às faixas costeiras ventosas do Nordeste.

Parque eólico da Wobben na Prainha (10 MW)

Atualmente encontra-se em discussão a viabilidade e o planeamento de parques eólicos em zonas protegidas da faixa litorânea, onde a pressão dos investimentos no setor da energia e turismo debatem seus argumentos nos leilões de compra e venda de terrenos para exploração em dunas movediças onde o vento sopra moderadamente constante entre os 15-20 m/s.

Localizada junto ao equador a região de Tauá apresenta as condições ótimas para a captação de energia solar, numa região de temperaturas amenas devido aos ventos suaves que se fazem sentir na região.

Entrou em funcionamento em 2011 e já abastece cerca de 1500 casas, tendo sido recentemente solicitada a sua extensão/licenciamento para a potência de 50 MW de potência visando a comercialização electricidade no mercado livre no estado do Ceará.

Usina solar da MPX em Tauá (MW)

http://lcgrhufc.blogspot.com.br/2012/08/pesquisadores-do-lcgrh-e-do-lerca-ifce.html?spref=fb

O projeto de renováveis da MPX visa o desenvolvimento duma economia local mais verde. Numa fase inicial, a empresa terá de investir em tecnologias apropriadas e aumentar a escala de produção de eletricidade até que a sua comercialização seja rentável, num contexto em que não existem sistemas de incentivos do estado Brasileiro para a energia solar de grande escala.

A energia solar fotovoltaica encontra-se em amadurecimento contínuo e diversos projetos de pesquisa estão a ser desenvolvidos por universidades e institutos de pesquisa de todo o mundo. No caso da usina de Tauá já está a ser desenvolvida uma parceria com a Universidade Estadual e o Instituto Federal de Ciência e Educação.

Grupo unido no curso “gestão de energia e qualidade do ar”

Viagens pela faixa costeira e conhecendo comunidades remotas, culinária local e momentos de reflexão levam-me a crer que a “produção descentralizada de energia” poderá equilibrar a balança energética rumo a uma matriz diversificada para a região, com menores prejuízos para o ambiente, no entanto, a produção industrial de “energia solar = quase todas as fórmulas de energia renovável” está a tomar conta dos acidentados relevos na orla costeira do nordeste, abrindo assim novos amplos espaços para a entrada de multinacionais com a técnica apurada que conquistam cada vez comunidades isoladas que acreditam na teoria da geração de emprego…

Será este o caminho da tão falada e disputada “economia verde” debatida e difundida na Rio+20, ou estamos apenas perante uma conspiração demagógica que vende a ideia de que as grandes empresas têm como missão aplicar os flexíveis e globalizados “mecanismos de desenvolvimento” sem expressão relevante para as demandas das sociedades atuais?!!

About divingincommunities

Low cost traveler and engineer learning and working with commuties around the world; Enjoy very much to meet different people and cultural exchange!
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s